Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


MINHA MUSA DO BAIRRO INDEPENDÊNCIA
Referente ao texto publicado sob o titulo de (O) Caso.

 
Certa vez postei no FB pequena elucubração publicada no Recanto das Letras. O Recanto é meu piedoso repositório de palavras maltratadas, escritas pela minha insana teimosia literária. Sou e não sou tudo aquilo que registro. Que o digam amigos e inimigos. Amores e desamores. Santos e profanos. Pois bem, sobre o tal escrito, que reproduzo abaixo, recebi vários pedidos para dizer a razão do mesmo, já que o pobre transmitia tristeza, decepção, frustração, etc.etc. Não me custa hoje, apoiado em meu passado glorioso de erros e acertos, falar do que me inspirou a tão dorido desabafo, digamos assim. É mais decente e mais amigável para com meu orgulho ferido. Então, vamos lá.
Nos idos de minha quase adolescência, durante as “peladas” das quais eu participava num campinho, onde hoje é um parque (imagino que ainda o seja), no meu bairro, o Independência, em Cachoeiro de Itapemirim, observei que de alguns dias, uma linda menina nos olhava com raro interesse. Para a época, isso era quase improvável. Sua presença açulou minha curiosidade e perguntei-lhe se gostava de futebol. Respondeu-me com um sorriso “Colgate” que sim, gostava, mas que ali estava somente para me ver. Me achava bonitinho, loirinho, ágil, e outros “inhos”. Isso a encantava. Paixão fulminante tomou-me de supetão. Disse-me estar morando no bairro e que estava adorando tudo ali. Encontro perfeito. Nunca acreditei no acaso e sim na teoria da reencarnação. Tudo explicado e lógico. Para mim, óbvio. Mergulhei fundo.
Durante um bom tempo, após o jogo, sentávamos sobre uma pedra grande que havia nos fundos do campinho e jogávamos conversa fora. Confesso que boa parte do que me dizia era incompatível com minha capacidade de entendimento. Mas isso era irrelevante. Importava somente sua voz, seu sorriso e seu toque, muitas vezes displicente, mas não sem menos energia para gerar meus arrepios de amor.
Descobri que a ninfeta tinha 16 anos. Eu ia fazer 12. Outro aspecto irrelevante. Quem liga para isso? Importante era estarmos juntos e nos sentirmos bem, pelo menos esse era o meu sentimento. Se fosse nos dias de hoje o bicho pegaria. Certamente haveria uma Candinha para levar o acontecido até minha mãe e dar início a um processo de assédio e sedução entre menores. Um assediando o outro. Beleza de figura jurídica.
Mas, não era hoje. Passei a sair do “racha” quando ela aparecia e, com aquele sorriso matreiro, de criança levada, meus amigos me avisavam de sua chegança. E lá ia eu. Cabeça erguida, peito estufado, olhar de falsa humildade em direção aos meninos que não alcançaram tamanha graça de amor. Glória plena e total.
Um dia chamou-me à beira do campo. Não era necessário eu sair. Tinha um compromisso importante. Olhou-me com muito carinho e lascou um beijo (o primeiro e único) perfumado no meu rosto. Afastou-se a passos rápidos. Segui seu caminhar até o fim, quando atravessou a Rua Moreira, em frente ao prédio que viria mais tarde a ser o Cine São Luiz, tomando o rumo da ponte municipal. Não mais frequentou nossas peladas.
Desnecessário falar de minhas dores, que variavam entre as de Otelo e as de Dante Alighieri, para ser mais ameno. Afastei-me das brincadeiras. Recolhia-me ao meu quarto e passava as tardes lendo revistas de Superman, Capitão Marvel, Fantasma, etc. Assim era a “depressão” da época. Tempos depois, menos machucado, saindo do Liceu lá pelas 16,30 h, após treino de basquete, deparo-me com a criatura caminhando abraçada carinhosamente a um cara conhecido, mais velho, hoje meu amigo. Cruzando comigo ameaçou enviar-me um olhar de “quem é você menininho? ”, indiferente a mim, ao cumprimento cordial de seu companheiro e ao mundo em geral.
“Puta que o pariu, minha sogra”, não desejo tal visão nem para o maior dos “pegadores de mulher alheia”. Segui em frente e não olhei para traz. Minha cabeça ia cheia de impropérios e pensamentos de vingança. Aliás, a vingança veio três ou quatro anos mais tarde. Bem, mas isso não cabe aqui e agora. Mas o escrito sim. Embora feito para a época, não carrega censura e nem mentira.
 

'Ali, num canto qualquer, brilhava sua saudade.
Pousei meus olhos sobre ela e sofri.
Não só por sua ausência.
Por sua indiferença, talvez.
Por seu descaso.
Nem tanto.
Mas certamente por seu caso.
Que não era o meu.
E muito menos eu..."





 
palhinha
Enviado por palhinha em 16/10/2017
Alterado em 16/10/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários