Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

A ULTIMA ESTRELA
Chegara enfim ao penhasco justiceiro.
Abaixo, apenas o rugir dos enlouquecidos.
Ondas gigantes abriam os braços tentadores.
Pedras de ponta dançavam sob as águas.
Os ventos sibilavam em cânticos de sereias.

Contudo, hesitava entre a razão e o orgulho.
Sua loucura gritava porquês e motivos em direção aos céus.
Seus gritos perdiam-se na imensidão dos espaços siderais.
Indiferentes a tanta dor, nuvens ameaçadoras uniam-se para decretar a tempestade.

A vida se esvaia entre raios e trovões angustiados.
Desamor e solidão: sua sentença de morte.
Nenhuma razão de vida acenava para seu coração.
Na negritude do infinito apenas o carpir do vento por testemunha.

Genuflexa, pronta para o fim, ousou erguer os olhos para o alto.
Uma lágrima dorida sulcou seu rosto contraído pela dor.
Vencida, vislumbrou um minúsculo ponto de luz a brilhar  entre os esparsos espaços das nuvens plúmbeas e aterradoras.
Renitente e teimoso em seu destemor exibicionista.

Sentiu-se então invadida pela coragem da pequenina estrela.
Viu-se de novo viva e capaz para enfrentar tempestades.
Orou com fé, ao Senhor das Vidas e das Mortes.
Agradecida por ser quem era naquele momento.

Então, enquanto a chuva lavava seu corpo, quase profano.
E suas lágrimas purificavam a alma renovada.
A última estrela daquela noite redentora, desapareceu ao cerrar-se a cortina escura de seu palco abençoado.
Não sem antes piscar, alegremente, em gracioso trejeito de sublimação...



palhinha
Enviado por palhinha em 09/08/2018
Alterado em 10/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários