Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


A palavra da época era "footing". Reza o Houaiss que quer dizer: "local numa cidade onde se faz esse passeio, esp. com objetivo de arranjar namorado(a)". O "esp." fica por conta do cão. A moçada ia prá lá e prá cá. Trotando incansavelmente. O menino, amigo do outro menino, pediu ao segundo menino para que fosse até a menina, que passeava com outra menina de vestido rosa e lhe perguntasse se queria namorar com ele (o primeiro menino) é claro. Amizade de menino é foda. Vale sacrifícios, porque não há maldade e sim ingenuidade. E lá se foi o menino, o segundo, perguntar a menina, de vestido branco se ela queria namorar seu amigo, o primeiro menino. Era uma menina de onze contra um pobre menino de treze anos. Mas era linda, a menina (de branco). Aí, bem, aí bateu a dúvida. Vale o sacrifício? “Vale não”, disse o diabinho do ouvido esquerdo. Mas promessa é promessa, ainda mais entre meninos de 13 anos. Então, a custo, a pergunta foi feita e a resposta foi um sonoro NÃO!! Carai, véi, pensou o menino, o perguntador. E agora? Certo que há uma razão pra esse Não tão veemente. O amigo vai sofrer, mas tem que saber. O menino então passou a mão nos cabelos, muito louros, espremeu seus olhos esverdeados e fazendo cara de galã do "bas fond" do cinema francês, lascou o maldito pronome: Por quê? A resposta veio firme e de pronto: - “Porque quero mesmo é namorar você”.
O primeiro menino tornou-se também meu primeiro desafeto. Ou seria rival? No entanto, a solução do imbróglio foi muito melhor para ele, e sobre isso posso falar de cadeira.
palhinha
Enviado por palhinha em 11/06/2019
Alterado em 11/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários