Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Meus versos desvalidos se fizeram pó. E se perderam nos espaços mundanos das solidões. Aspiro as brisas, buscando sentir seu perfume. Escuto os pássaros, querendo ouvir sua voz. Meus passados são cinzas para o mundo. Meus futuros são brumas intransponíveis. E assim será, por todos os tempos. Até que brilhe, novamente em meu caminho, a luz abençoada do seu amor.
palhinha
Enviado por palhinha em 02/07/2019
Alterado em 13/08/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários