Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos
DESCULPAS

Ao longo de nossa vida estamos continuamente arrazoando nossos fracassos externos e internos através da desculpa esfarrapada de sermos sempre a vitima ou o injustiçado. Não aprendemos a cultivar a meditação pelo recolhimento ao nosso interior, logo não sabemos ser tolerantes. Perdemos o rumo da humildade, por isso nossas dores são maiores e sempre distantes de nossa responsabilidade por elas.
O infortúnio adentrou de repente pela nossa vida?
Não é a revolta e a indignação, às vezes justas que irão repeli-lo. Talvez refletir sobre suas razões nos dará forças para combatê-lo de igual para igual.
A dor de uma perda se assenta repentinamente à nossa frente?
Lágrimas são bem vindas e consoladoras, mas que não permitamos que se transformem em lavas fumegantes de ódios e culpas. Tentemos pensar que nada se dá fora das leis da vida.
A traição e a ingratidão nos colocaram no cárcere do desespero?
Busquemos aceitar o momento que nos é oferecido para uma análise mais fria do seu âmago e das suas ações. A toda ação corresponde uma reação. Toda causa gera um efeito. Esse é o único axioma da vida.
Estamos carentes e solitários?
Quem sabe se a palavra esperada não deixou de ser proferida, por certo orgulho, tantas vezes protegido sob a capa de uma falsa timidez. O amor não reclama do silêncio, mas das ações que ele impediu de serem executadas.
Nossa origem vem de um Criador perfeito. Nós é que nos corrompemos pelo orgulho, a vaidade, a intolerância e, acima de tudo, pela falta de fraternidade. É mais do que hora de curvarmos nossa cerviz e entendermos definitivamente que a eternidade pertence à alma imortal e não ao corpo de carne perecível.
palhinha
palhinha
Enviado por palhinha em 24/07/2018
Comentários