Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato Links
Textos

Naquela época, não interessa qual, eu, adolescente de Cachoeiro, os ufanistas de sempre diziam que havia uma diferença entre adolescente comum e o “adolescente de Cachoeiro”. Sei não, mas de algum fato ou fantasia viera o termo. Do bairrismo? Penso que não. Seria demais. Mas, vamos lá, deixa eu vender meu peixe, que é mais interessante do que ser adolescente, de Cachoeiro ou não. Pois bem, naquele tempo, como todo bom moleque, também eu tinha uma namoradinha. Alguns tinham mesmo é namoradona, pois seguiram em frente com as ditas e ainda hoje são provectos avós, ou mais, em parceria abençoada com elas. Não foi o meu caso. Eu não era tão prestigiado assim nas lides do amor primeiro. Pô, mas por Tutatis, cadê o tal peixe à venda? É verdade, desculpem, me empolguei com as lembranças. Talvez daí venha o rótulo juvenil. O adolescente cachoeirense tem lembranças, se não for isso, bem que poderia sê-lo. Gente, que saco! Não é tão difícil assim. Pois é, além da namorada havia a igreja matriz e suas celebrações, entre elas a “confessio” ou reconhecimento dos erros e pecados diante do padre, buscando absolvição. Aí entra o fulcro da questão ou o meu “peixinho”. Vai daí que a namorada, certamente após noite mal dormida, vem e me intima a acompanha-la à matriz, “ao cair da tarde”, com a devida licença do mestre Florisbelo Neves, para que eu me confessasse e no dia seguinte comungasse. Beleza! Não fora o fato de que eu sou e sempre fui espírita. Os que me conheciam à época sabiam disso tanto quanto ela, desde o primeiro dia, quando fazíamos o “footing” na calçada da praça. Eu nunca havia confessado ou comungado. Ameaçou-me com “greve de contato”. Ver um filme no Cacique ou no Broadway, sem estar de mãos dadas com a menina seria o meu apocalipse sentimental. Ora, ora, de jeito e maneira eu me submeteria a tal abstinência. As mulheres, passando por Dalila, Helena, Catarina etc. sempre tiveram o controle da “pierre de touche” do convencimento para nos levar à submissão. Então, após o treino do juvenil do Estrela, tomei o rumo da matriz, cuja distância do Estádio do Sumaré é bem curta. Adentrei as portas da Nave e procurei com os olhos minha linda e querida opressora. Na parede lateral que dava até o confessionário havia uma fila mediana formada por jovens e adultos respeitosamente circunspectos. Certamente avaliando suas consciências. Vislumbrei-a na terceira posição a partir do início. Acenei-lhe sinalizando que iria para o fim da fila. Balançou a cabeça negativamente e chamou-me para junto dela. Fui, óbvio. Colocou-me à sua frente. Ninguém iria reclamar ali daquela mordomia, temendo arrumar mais um pecadilho, o da intolerância. Assim, logo chegou a minha vez. Como orientado, ajoelhei-me diante da parte treliçada do confessionário e esperei. Do outro lado, silencio total. Observei que o padre estava tentando me identificar. Afastei-me um pouco. Aí, ele falou: - MENINO, O QUE ESTÁ FAZENDO AQUI? – Reconheci então o padre. Nós o chamávamos de padre Pelé. Ele assistia sempre as “peladas” no pátio lateral da igreja. Eu saia do meu bairro e ia até lá para jogar, a convite de um grande amigo de infância, o Paulo Rui Matos, que morava perto. Além do mais, eu era bem conhecido à conta do time do Estrela. O padre era ótimo e um bom companheiro. Fiquei feliz ao saber que era ele o autor da pergunta. Respondi, não sem antes aguardar um tempinho a pedido dele:
PADRE, EU ESTOU AQUI POR CONTA DAQUELA QUE VIRÁ DEPOIS DE MIM. Ele esboçou um sorriso divertido e disse: SENTE NAQUELE BANCO DE FRENTE PARA O ALTAR E REZE TRÊS PAIS NOSSO E TRÊS AVE MARIAS. SE CONSEGUIR, ESTÁ CONFESSADO.
 
 
palhinha
Enviado por palhinha em 18/09/2020
Comentários