Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
16/05/2017 19h10
(O) CASO

 

Ali, num canto qualquer, brilhava sua saudade.
Pousei meus olhos sobre ela e sofri.
Não só por sua ausência.
Por sua indiferença, talvez.
Por seu descaso.
Nem tanto.
Mas certamente por seu caso.
Que não era o meu.
E muito menos eu...

 

Palhinha


Publicado por palhinha em 16/05/2017 às 19h10
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
16/11/2014 23h38
RESPOSTA NO FB

Recebo a mensagem abaixo de minha prima Regina Mancini. Embora não lhe componha o nome, ela é Medeiros legítima.

"Começando aqui , na terrinha um auê porque derrubaram a pracinha com a pintura do Roberto Carlos feita pelo Diwali. Nós da família Medeiros Corrêa também deveríamos nos unir e saber "quem" tirou o nome de nosso avô da sala do antigo Fórum Horta de Araújo, na rua Barão de Itapemirim e quando o mesmo fórum foi transferido para a Av. Monte Castelo foi rebatizado com outro nome. Isto é ou não é um absurdo! Que o diga nosso historiador Higner de Araújo. Os diversos advogados netos e bisnetos reclamam por JUSTIÇA!Bjs"

 

O que falar? Há bem pouco tempo disse-me o Paulo Henrique Thiengo que estava entristecido pelo descaso de Cachoeiro pela cultura. Concordei com ele e como bom filho de mineiro, lhe dei toda a minha solidariedade. Pelo que venho acompanhando, de longe, o descaso não é somente cultural. Nossas tradições e seus responsáveis, especialmente aqueles que já retornaram à pátria espiritual, parecem estar em arquivos  de acesso cada vez mais difícil. Pelo que me chega, ressalvo alguns esforços em beneficio da mantença em atividade da memória cachoeirana. Caso do Higner Mansur e poucos outros que não estão em minha lista de amigos. Ou então, ainda, das investiduras pessoais pela garra da Moema Baptista, sem demérito a quem se julgar na mesma linha. Nesse aspecto, ao contrário da letra da musica de Raul Sampaio, Cachoeiro não é mais pequeno, mas lamentavelmente "apequenou-se". Paciência. Também não creio que apesar da representatividade de nosso avô - Dr. José de Medeiros Corrêa - em seu tempo e de sua tia e minha mãe - Maria Stael de Medeiros Teixeira - em sua vivencia, servindo a cidade -  e até mesmo de nosso tio Medeiros Correa Jr., como Juiz de Direito que foi por aí, tenhamos, nós, os Medeiros, força e tradição suficientes para retomarmos o nome de nosso avô nessa ou em qualquer outra sala de fórum de justiça. Em verdade, não sei se ele se importa com isso. Era avesso a atos de demagogia política. Paciência. Já estará de bom tamanho se mantiverem o nome de minha mãe em rua do Bairro Bom Jardim e em uma escola do bairro Village da Luz. Ah, e que tenham sempre em evidencia o Medeiros da atualidade: Paulo Medeiros. Com isso já estamos no lucro. De qualquer sorte, querida prima, é justíssima sua indignação, pena que buscou o membro mais obscuro e insignificante do clã. Um cachoeirense ausente. Definitivamente ausente, da cidade e de sua história. Muita paz.


Publicado por palhinha em 16/11/2014 às 23h38
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
13/11/2014 00h47
DESABAFO DE IMPROVISO(1:05 da madruga)

Gosto de ouvir e falar com espíritos. Um dos genros se borra de medo. As melhores horas, fora das reuniões para tanto, são as da madrugada, quando tudo se aquieta para o descanso natural dos normais. Nem sempre durmo cedo. Com a idade o sono se reduziu a algumas horas. Cinco dessas é o bastante, imagino. Hoje tenho lembrado Cachoeiro de Itapemirim, minha terra natal. Mas, não a Cachoeiro de hoje mas a de ontem. De quando eu fazia meu périplo quase diário, embora noturno, pela Pinheiro Jr. Ia contente e volta feliz. Uma beleza. Ou ainda nas tardes luminosas que acolhiam os clássicos entre Estrela e Cachoeiro. Lá estava eu com a 8 estrelada, ao lado de Josias, Renato Pinto, Volmir, Lico, Zinho etc.etc. Aquelas sim é que eram as belas tardes de domingo. Mas tudo isso para dizer que ouço e falo com espíritos. Pois é isso mesmo. Sobre tudo isso e muito mais é que falo com eles. Com quem mais poderia ser? Cachoeiro hoje traz sua cultura sob grades. A cidade ficou suja e feia( ou mais feia como dizem seus detratores). Os grandes poetas se foram e seus ditos e escritos pouco divulgados. São, ironicamente, ainda ilustres, porém desconhecidos, Como também o são os nóveis da categoria. Ainda ontem um deles me fustigou: - pensando na Ilha da Luz? Perda de tempo. Ela está lá, mas não existe. Paciencia. Mesmo assim qualquer dia passo lá para conferir. Mas o clamor da torcida do Estrela até hoje toca em meus ouvidos e alimenta minha alma. 


Publicado por palhinha em 13/11/2014 às 00h47
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.