Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

11 horas de uma manhã agradável de dezembro. Preparava eu uma Apelação Cível, de certa importância, quando fui interrompido pelo chamamento de meu netinho de 3 anos: - "Vô, vem aqui." Meu escritório fica no segundo andar de minha casa e meu neto mora com os pais no primeiro, graças a Deus. Levantei-me da cadeira e fui até a janela interna que permite que se veja a escada de acesso à "minha casa", como rotulou, esse mesmo neto, o andar de cima. Muito bem. Olhando para baixo divisei o pequeno ao pé da escada, com as mãos nas cadeiras, empertigado e com o olhar sério. As pernas arqueadas lembraram-me os mocinhos e bandidos do faroeste de minha adolescência, prestes a duelarem. Perguntei-lhe o que queria, ao que ele me respondeu: "desce aqui, vô". Ante tamanha determinação de vontade não me restou alternativa. Dirigi-me à escada e comecei minha descida gloriosa. Atender a vontade dos netos a qualquer hora e tempo é sempre uma tarefa prazerosa e rejuvenescedora. Quando fui atingindo o último degrau encarei-o com aquele olhar idiota de bufão metido a sério. Então, vi meu neto me encarar arrogantemente, arquear as sobrancelhas, soltar os bracinhos ao longo do corpo, em posição de confronto e lascar em mim a frase hollywoodiana, do velho e cansado faroeste: "Vô, plepale-se pala moê". E diante de minha expressão facial, entre surpresa e divertida, girou nos calcanhares e saiu correndo, às gargalhadas, em direção ao quarto de brinquedos, onde certamente outras diversões o esperava. Gente, tem coisa melhor na vida?
palhinha
Enviado por palhinha em 29/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários