Baú de Traços & Troços
Nascer,morrer, renascer ainda, tal é a lei (Kardec)
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Por onde ando não há razões sensatas.
São caminhos desnudos dos óbvios da vida.
Tenho medos e não devo expressa-los.
Tenho amor e não posso entrega-lo.
Minhas estradas são íngremes e espinhentas.
Meus pés, descalços levam-me ao nada.

Ora sou fera, ora sou cordeiro.
Das lavouras de alegrias, sou o espantalho.
Controverso, estou sempre pronto a servir. A
qui e acolá.
Aos senhores das trevas ou aos anjos de luz.

A quem possa interessar, tenho dores a ofertar.
Jogral de mim mesmo, de há muito despi meus fatos.
De ricos tecidos e finos aromas.
Para quem sofre tenho elixires sutis.
Extraídos dos caninos das serpes.
Curam ou matam.
Vai do querer.

Mas nem sempre foi assim.
Outrora, cantei com os pássaros e vivi com os puros.
De coração e de alma.
Repousei em berço alcandorado.
Adormeci em colo de rosas.
Provei de lábios únicos o mel do amor perfeito.
Fui rei e súdito de uma só terra.
Plena de estradas luminosas e lagos cristalinos.
Coberta de lares abençoados de paz e fraternidade.

Eis, porém, quando se tem fraco o espírito.
Se tentado ao extremo, sucumbe à inveja.
De amigos à inimigos, inexiste a distância.
Assim, pois, quedei traído e execrado.
Lançado na arena da calunia e da injuria, busquei o exílio.
Por isso, talvez, seja eu o que sou.
Caminhante do tempo, aguardando seu momento.
De seguir novo roteiro ou retornar às origens.
Para vingar ou perdoar.
Como quiserem...
palhinha
Enviado por palhinha em 29/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários